O que falta para o Enduro a Pé?

Por • 2 jul, 2008 • Seção: George Hirata

Deixando de lado os problemas de relacionamento existente entre os principais organizadores do esporte, o Enduro a pé é um esporte que leva algumas desvantagens perante os demais. Ele está ainda sujeito a constantes alterações, tanto no regulamento como na forma de atuar dos organizadores. Vamos analisar a parte técnica do esporte.

A principal característica do Enduro a Pé é, sem dúvida alguma, a precisão! Para uma equipe vencer, ela precisa manter a regularidade. E para manter a regularidade, é preciso uma grande precisão nos cálculos dos tempos ideais, nas medidas de distância, no controle da velocidade e na tomada dos azimutes.

Atualmente, cada segundo de erro, seja por conta de um erro de arredondamento nos cálculos, erro na aferição da distância ou mesmo por conta de um breve momento de distração em que a equipe se atrasou ou se adiantou, pode ser decisivo para determinar a equipe vencedora. É isso que torna o nosso esporte emocionante.

Em minha opinião, os equipamentos de navegação tiraram um pouco desta emoção. Eles possibilitaram acumular funções que antes eram divididas entre todos os integrantes das equipes. Hoje, um único competidor, consegue “carregar” uma equipe nas costas e vencer uma prova. É por esse motivo que algumas organizações já estão tentando alterar seus regulamentos para possibilitar a existência de provas individuais. É por isso, também, que muitos organizadores precisam criar dificuldades extras, as famosas pegadinhas, para tornar as provas mais interessantes.

Os principais organizadores do esporte estão se profissionalizando e tornando o mercado cada vez mais competitivo. Porém, não existe ainda uma entidade que organize, fiscalize e controle as práticas dos organizadores com maior poder de fogo. O mercado brasileiro para o esporte é bastante amplo. Quem quiser se aventurar a organizar, certamente vai encontrar um nicho onde atuar. Entretanto, quando encontramos mais de um organizador atuando em um mesmo mercado, não encontramos disputas das mais sadias. Parece existir uma tendência de destruir para reinar.

Quando trabalho o Enduro a Pé para desenvolver as habilidades de espírito de equipe com os escoteiros, vejo uma grande diferença em relação aos demais competidores. Os jovens gostam também de competir, mas procuram competir, em geral, de forma honesta e leal, respeitando os adversários. O importante não é vencer a qualquer custo, mas ser considerado vencedor pelas demais equipes. Ser respeitado é o mais importante.

Tenho uma série de vantagens em relação aos demais organizadores. Meu público não envelhece! E não deixa que os vícios substituam os hábitos. Ele se renova todos os anos, mas o espírito de competição sadia se mantém. O staff que trabalha nos enduros escoteiros é basicamente voluntário, formado por idealistas que apostam no desenvolvimento do Enduro a Pé através da formação de jovens competidores com espírito elevado.

O que falta para colocar nosso esporte novamente nos eixos?
Organização! Falta uma entidade que seja respeitada por todos, competidores e organizadores. Que tenha autoridade para decidir e atuar de forma transparente, impedindo as práticas abusivas e mal intencionadas e incentivando e promovendo o crescimento das organizações e de novas equipes.

Estamos muito longe de alcançar esse sonho?
Acredito que não. Vejo alguns organizadores e competidores se mobilizando, buscando soluções. Vejo pessoas trabalhando bem intencionadas, procurando fazer a diferença, sensibilizando e criando motivação.

Muito em breve, tenho certeza de que teremos muitos motivos para comemorar!

: George é atual presidente da Federação Paulista de Enduro a Pé. Foi colunista de todas as edições impressas da Revista Azimute sempre falando sobre o Enduro a Pé, seus problemas, futuro e possíveis soluções. É também Chefe escoteiro no 20o. Grupo de Escoteiro Falcão Peregrino. Praticante de Enduro a Pé há 12 anos, foi tri-campeão Paulista com a equipe CURTLO CARAvANa. Durante 10 anos consecutivos, a equipe CURTLO CARAvANa manteve-se entre as top 10 do esporte.
Envie um e-mail para o autor | Todas as colunas de

Sem Resposta »

  1. George, tudo bem ?

    Parabéns por suas mensagens …. e nós nunca vamos ficar \”fora\” do trekking !

    Lendo essa sua matéria, lembrei de algo que nós sempre comentamos e que é inerente ao ser humano : novidade e desafio.

    Quando essas 2 características se acomodam, o interesse se esvai …

    Abraço e muitas realizações em seus projetos de trekking e Enduro a Pé.

    Beto.
    Saknussemms / Caravana.

  2. Caro George,
    Ao ler sua matéria, lembrei de alguns anos atrás quando começavamos a caminhar com relação a Consciência Ecológica. Naquela época eram poucas as pessoas que acreditavam que seria possível, mudar o mundo pois, a grande maioria dos jovens apesar de saber da importância do assunto, pouco faziam para mudar alguma coisa, mas hoje vemos atitudes diferentes e conscientes sobre o assunto. O mesmo acredito que vá ocorrer com referência ao Enduro a pé, tenho a certeza de que em pouco tempo o interesse irá aparecer. Digo isto pois na maioria dos esportes de massa no Brasil geralmente apresenta um íDOLO, alguém que possamos nos espelhar e isso sem contar com o apoio da mídia de modo geral, o mesmo não ocorre com o Enduro a pé. Tenho certeza então que dentro de pouco tempo, algum íDOLO aparecerá, a mídia dará a atenção devida ao Enduro a Pé, e ai sim o interesse irá crescer principalmente entre os jovens. Isso não implica então que não devemos trabalhar para dispertar o interesse no maior numero de pessoas possíveis, ai vem o trabalho de formiguinha, do boca a boca tanto dos competidores como principalmente dos ORGANIZADORES. Tenho comigo que se os organizadores permitissem que cada equipe pudesse levar um convidado (por exemplo) em cada prova, ajudaria em muito as pessoas se apaixonarem pelo Enduro a Pé após o primeiro contato, principalmente com as equipes graduadas (devido a experiência absorvida no decorrer de anos de provas). Outra coisa que falta é o insentivo ou interesse das equipes mais antigas para com as equipes que estão iniciando, isso com certeza seria além de instrutivo, um meio de diminuir o tempo de aprendizagem o que muitas vezes demotivam as equipes mais novas a continuarem no Enduro a pé.

Envie uma Reposta