Remédio não é água com açúcar

Por Iversen Boscoli • 19 jun, 2009 • Seção: Dr. Iversen Boscoli

Remédio não é água com açúcar

 

Quando somos crianças sempre que levamos um grande susto vem a vovó correndo com o famoso copo de água com açúcar para acalmar o netinho. Água com açúcar não é remédio para nada e nem mesmo tem a capacidade de conseguir acalmar uma pessoa, mas este ato tem um significado inconsciente que gera no netinho a sensação de bem estar pela preocupação da avó com sua pessoa e isto sim é gerador de bem estar e calma.

As vovós usam água com açúcar pois não há nada mais inofensivo para nosso organismo que um pouco de água e glicose, muito melhor que usar um melhoral infantil ou algumas gotinhas de Dipirona, afinal elas apenas querem que o netinho pare de chorar.

A cada prova de corrida de aventura que participo fico mais preocupado com as coisas que vejo e começo a questionar se o Kit de Primeiros Socorros que obrigamos os atletas a ter como equipamento obrigatório é realmente algo benéfico.

Não questiono as normas que obrigam a utilização dos Kits, não questiono o Kit em si mas a forma com que a maioria dos atletas se utiliza deste recurso me faz acreditar que seria melhor Proibir o uso do Kit de primeiros socorros e de qualquer tipo de medicação durante as corridas de aventura.

Na ultima etapa do BW extreme, assim como em todas as etapas de corridas que tenho participado sempre que perguntamos aos atletas se eles tomaram alguma medicação o comum é obtermos a seguinte resposta: Já tomei 4 Flanax, ou, já tomei 5 Arcoxia.

O que observo é que na presença do menor desconforto, na possibilidade de que venha surgir uma pequena dor, os atletas não medem esforços para utilizar as medicações de seus Kits de PS na intenção de evitar que um incômodo qualquer venha a surgir e com isto ele fique impossibilitado de terminar a prova ou seja incapaz de manter seu nível de competitividade.

A “Tomação de remédios” profilaticamente para evitar uma possível dor é algo constante nas corridas.

Se já existe uma dor, uma tendinite, um desconforto qualquer então esta “Tomação de remédios” atinge o seu extremo.

Digo Tomação de Remédios pois é isto o que ocorre. Não existe em medicina nada parecido e o termo me pareceu apropriado.

Fica aqui então o meu apelo:

Atletas por favor não brinquem com remédios.

Só para esclarecer bem o assunto; Uma substancia química é definida como sendo Veneno quando a sua utilização causa em nosso corpo mais danos que benefícios. Uma substancia química é dita Remédio quando a sua utilização causa mais benefícios do que danos ao nosso organismo. Observem que esta definição não exime os remédios de serem causadores de danos, a diferença é que há benefícios em maior quantidade que os malefícios mas sempre existe uma conseqüência na sua utilização.

Se utilizada em excesso ate a Água pode ser causadora de problemas a nosso corpo, o mesmo vale para a comida. Sim comida em excesso também pode fazer mal ao organismo. Aliás tudo que é em excesso pode fazer mal para nosso organismo pois pode ser um gerador de distúrbios que nosso corpo terá que compensar. Se nossa capacidade de adaptação estiver em perfeito funcionamento estes distúrbios causados pelo excesso serão compensadas e não teremos problemas sérios ao nosso corpo, talvez umas idas a mais ao banheiro, ou o ganho de alguns kilos de peso, mas se já houver algum tipo de desconpensação dos mecanismos de manutenção do equilíbrio de nosso organismo qualquer excesso pode causar danos irreparáveis.

Em uma corrida de aventura nosso corpo esta no seu limite máximo. A desidratação é uma constante nos corredores, se associado a isto faz-se a ingestão de doses cavalares de medicamentos, como os antiinflamatórios algo muito comum numa prova, o resultado final desta brincadeira pode ser uma insuficiência renal crônica que fará com que o atleta troque a corrida de aventura por uma máquina de diálise para o resto de sua vida, sem contar o risco de morte.

Já vi atleta que em uma manha tomou a dose de dois dias de antiinflamatório e ainda a dose para mais dois dias de analgésicos.

Comecemos a medir os danos:

Dipirona (Novalgina, Doril, Nevralgex, Buscopam Composto, Magnopirol, Mioflex,  Dorflex, Doxalgen, Baralgim, Neosaldina, Sedalene, Lisador, Beserol, Anador, Tandrilax): Pode causar aplasia de medula, e o tratamento para isto é Transplante de Medula Óssea. Sua dose tóxica é elevada, maior que 60g, mas tomando como os atletas tomam esta medicação ela ate que pode ser atingida.

Paracetamol (Dórico, Alivium, Flancox, Maxifen, Glivec, Tylenol): Quando atingida a dose Tóxica causa Necrose Fulminante de Fígado, esta complicação tem este nome pois a necrose é súbita levando a insuficiência hepática total e morte. Não há cura e a mortalidade atinge 100%. Na Inglaterra este medicamento teve suas vendas proibidas devido ao fato de muitas pessoas o utilizarem como forma eficaz para cometerem suicídio. Ao se atingir a dose tóxica não surgem sintomas no paciente e 24 – 48Hs após surge a necrose hepática seguida de morte e o processo é irreversível por isto era utilizado pelos ingleses como forma eficaz e indolor de suicídio.

AAS (Aspirina, Melhoral Infantil): Uma das causas mais comuns de Úlceras gástricas, e gastrites mesmo quando usado dentro da dose recomendada. Pode causar distúrbios de coagulação sanguínea. Como todo antiinflamatório pode causar lesão renal a insuficiência renal aguda ou crônica.

Diclofenaco, Cetoprofeno (Cataflan, Alginac, Flotac, Proflan, Biofenac, Scaflam, Voltarem, Profenid): Também são causadores de distúrbios gástricos podendo levar a úlceras gástricas e gastrites. Quando utilizados na dose tóxica podem causar insuficiência renal aguda ou crônica.

Arcoxia: Alem dos efeitos já descritos acima este antiinflamatório esta relacionado a ocorrência de arritimias cardíacas e infartos do miocárdio mesmo quando usado nas doses recomendadas. Já teve sua venda proibida por diversas vezes no Brasil, e em alguns países esta proibição é permanente.

Cloridrato de loperamida (Imosec): Inúmeros estudos mostram a ocorrência de Sepsis (infecção sistêmica generalizada) associado ao uso deste medicamento em casos de diarréia sem que o agente causal seja identificado.

Lembrem-se depois que o estrago esta feito sempre é difícil reparar os danos. Medicamento deve ser usado somente em caso de necessidade real e nas doses recomendadas.

Na hora de montar seu Kit de PS anote nas embalagens dos medicamentos as doses recomendadas e nunca, nunca ultrapasse estas doses pois não é aumentando a dose que o remédio vai agir mais rapidamente ou de maneira mais eficaz.

 Ate mais

Dr. Iversen Ferrante Boscoli

 

Iversen Boscoli: Médico graduado pela Universidade Federal do Paraná. Cirurgião plástico especialista pela Universidade Federal de São Paulo. Médico da 4ª. Companhia de Fuzileiros Mecanizados de Paz do Batalhão Haiti. Responsável médico da Expedição Chauás
Envie um e-mail para o autor | Todas as colunas de Iversen Boscoli

Uma Resposta »

  1. Dr. Iversem Ferrante Boscoli, adorei sua dica, sempre estou fazendo errado, mais agora, vou tomar todas os cuidados, agora mesmo entre os meios seios estava doendo, passei Biofec e agora continuan ardendo sem parar
    ja estou preocupada. Fui até um Mastologista, mandou fazer Ultra som? so que esqueci de falar que passei a Medicação sem receita Dr. o que o Senhor pode me ajudar? Desde ja fico agradecida. Obrigada Sandra Carmo
    de Cuiabá- MT.

Envie uma Reposta